Últimas Notícias
Capa / Arquivos do Autor: Pai Douglas Barrios Jr. (Página 2)

Arquivos do Autor: Pai Douglas Barrios Jr.

Jornal abril 2020

Mais uma edição de nosso Jornal disponível em nosso site. Uma boa leitura a todos com muito Axé.

Atabaques na Umbanda

É sinônimo de alegria, mas também de respeito à ritualistica.

Vindo da África, o atabaque é um instrumento musical largamente usado em quase todo ritual de Umbanda e também em muitas outras religiões de origem afro.

Dentro de um Terreiro, os atabaques na Umbanda podem agregar energias de louvação e invocação dos Orixás e evocação dos Guias Espirituais.

Além disso, devem ser manuseados e cuidados pelos responsáveis pelos toques.

E estes são os curimbeiros que devem ser, de preferência, filhos da Casa.

Curimba é o nome que damos para o grupo responsável pelos toques e cantos sagrados dentro de um Terreiro de Umbanda.

São eles que percutem os atabaques na Umbanda, assim como conhecem cantos para as partes de todo o ritual umbandista.

Esses pontos cantados, junto dos toques de atabaque, são essenciais nas Giras.

E é por isso que devem ser bem fundamentados, esclarecidos e entendidos por todos.

O som dos atabaques aguça, prepara e estimula todos para a captação de energias.

Os atabaques na Umbanda acionam vibrações dos planos material e espiritual.

Com a produção de energia calorífica, através do toque no couro, o atabaqueiro fará a mistura com as vibrações das entidades e as vibrações naturais dos médiuns.
Assim, a sua energia e a do Guia irão circular na corrente mediúnica começando dos médiuns mais preparados e passando para os iniciantes.

Em geral, os atabaques na Umbanda são compostos por três partes distintas:
– Couro animal
– Madeiramento
– Ferragens

Os atabaques devem ter sua afirmação feita por cordas e tranças e devem usar couro animal.

São um dos principais pontos de atração de vibrações de um Terreiro.

A energia do Orixá/Entidade chamada é captada pelos assentamentos e direcionada para o Zelador onde é concentrada e depois lançada para os atabaques onde é modulada e distribuída para os médiuns da corrente.

O responsável pelos atabaques na Umbanda é normalmente uma pessoa escolhida no Terreiro que conhece os ritmos aplicados para cada Linha dentro da Umbanda.
Estes instrumentos devem ser tratados com o máximo de respeito e nenhuma pessoa desautorizada deverá tocá-los.

Isso poderia colocar em risco o equilíbrio da Gira e a faixa mediúnica dos médiuns da corrente.

Quando fora de uso, os atabaques devem ser cobertos com pano próprio.

É importante observar que o toque (volume) dos atabaques na Umbanda nunca deve exceder as vozes da corrente.

Quando o atabaque excede as vozes, a corrente pode se desorganizar e o médium pode perder a concentração.

E isso pode atrapalhar e muito o desenvolvimento dos médiuns e o bom andamento do trabalho.

Com a junção do atabaque e a corrente cantando vibrante os pontos cantados faz-se a festa de Umbanda.

Esta é que mantém a vibração do Terreiro!

Ogum 39 pontos

Leitura março 2020

Axé filhos de casa de Caboclo Ventania, segue mais uma edição de nosso jornal do mês de março de 2020. Muitas informações e matérias para termos a Umbanda em nossas veias….

Boa Leitura…

Reflexão de Terreiro

Quem não está para doar também não está para receber…

Todos querem…

Todos querem incorporar o Erê mais fofo, o Caboclo mais forte, o Pai-Velho mais sábio, o Exú ou Pomba Gira mais temível.

Poucos incorporam as doutrinas, os ensinamentos, os alertas, os conselhos, as recomendações…

Todos querem fazer trabalhos nas matas, nas praias, nas montanhas, nos rios, nas estradas, no cemitério….

Poucos querem varrer o chão, tirar o lixo, lavar a louça, arrumar as cadeiras, justamente no Terreiro onde os Orixás, Guias e Protetores trazem sua luz…

Todos querem trabalhar com oferendas de velas, ervas, alguidares, elementos mágicos….

Poucos querem raspar a tábua, esvaziar os cinzeiros, lavar os alguidares, raspar o respingo de vela..

Todos querem aprender mirongas, banhos, encantamentos, fórmulas, pontos riscados…

Poucos querem respeitar a hierarquia, acatar as normas, saudar e respeitar o chão santo…

Todos querem ver, ouvir, sentir, receber intuição…

Poucos querem ouvir as razões, ver as fraquezas, sentir a sensibilidade, intuir as carências de seu irmão…

Todos querem firmar o congá, cruzar imagem, vestir o branco, cantar pontos, bater palma, riscar a tábua…

Poucos querem ter humildade, serenidade e sinceridade…

Todos querem a roupa mais vistosa, a Guia mais elaborada, o chapéu, o brinco, a capa, a saia, o instrumento mais exótico…

Poucos querem se vestir com a armadura da fé, se vestir com as armas da coragem… e pior ainda, não querem se despir do orgulho, da vaidade e da arrogância…

Todos querem, poucos fazem

Todos querem, poucos recebem.

Todos reclamam, poucos aprendem.

Poucos olham pra dentro de si mesmos ou para o lado…

A UMBANDA quer ser para todos,

mas a UMBANDA, infelizmente, é para poucos…

Todas as divindades

Oxalá traga a luz. Nanã a sabedoria. Xangô a justiça. Iemanjá o afeto. Ogum a vitória. Oxum o amor. Iansã a força. Oxóssi a fartura. Ibeji a alegria e Exu os caminhos abertos.

Na luz

Não sejas egoísta. Aquilo que te for ensinado passai aos outros e aquilo que recebeste de graça, de graça tu darás. Porque só no amor, na caridade e na fé é que tu podes encontrar o teu caminho interior, a luz e Deus.

07/03/2020 – Gira dos seus Boiadeiros

São espíritos de pessoas, que em vida trabalharam com o gado, em fazendas por todo o Brasil, estas entidades trabalham da mesma forma que os Caboclos nas sessões de Umbanda.

Usam de canções antigas, que expressam o trabalho com o gado e a vida simples das fazendas, nos ensinando a força que o trabalho tem e passando, como ensinamento, que o principal elemento da sua magia é a força de vontade, fazendo assim que consigamos uma vida melhor e farta.

Nos seus trabalhos usam de velas, pontos riscados e rezas fortes para todos os fins.

O Caboclo Boiadeiro traz o seu sangue quente do sertão, e o cheiro de carne queimada pelo sol das grandes caminhadas sempre tocando seu berrante para guiar o seu gado.

Normalmente, eles fazem duas festas por ano, uma no inicio e outra no meio do ano. Eles são logo reconhecidos pela forma diferente de dançar, tem uma coreografia intricada de passos rápidos e ágeis, que mais parece um dançarino mímico, lidando bravamente com os bois.

Seu dia é quinta feira, gosta de bebida forte como por exemplo cachaça com mel de abelha, que eles chamam de meladinha, mas também bebem vinho. Fumam cigarro, cigarro de palha e charutos. Seu prato preferido é carne de boi com feijão tropeiro, feito com feijão de corda ou feijão cavalo. Boiadeiro também gosta muito de abóbora com farofa de torresmo. Em oferendas é sempre bom colocar um pedaço de fumo de rolo e cigarro de palha.

No Terreiro os Boiadeiros vêm “descendo em seus aparelhos” como estivessem laçando seu gado, dançando, bradando, enfim, criando seu ambiente de trabalho e vibração.

Com seus chicotes e laços vão quebrando as energias negativas e descarregando os médiuns, o terreiro e as pessoas da assistência.Os fortalecendo dentro da mediunidade, abrindo as portas para a entrada dos outros guias e tornando-se grandes protetores, assim como os Exus.

Quando o médium é mulher, freqüentemente, a entidade pede para que seja colocado um pano de cor, bem apertado, cobrindo o formato os seios. Estes panos acabam, por vezes, como um identificador da entidade, e até da sua linha mais forte de atuação, pela sua cor ou composição de cores.

Alguns usam chapéus de boiadeiro, laços, jalecos de couro, calças de bombachas, e tem alguns, que até tocam berrantes em seus trabalhos.

Nomes de alguns boiadeiros: Boiadeiro da Jurema, Boiadeiro do Lajedo, Boiadeiro do Rio, Carreiro, Boiadeiro do Ingá, Boiadeiro Navizala, Boiadeiro José, Boiadeiro de Imbaúba, João Boiadeiro, Boiadeiro Chapéu de Couro, Boiadeiro Juremá, Zé Mineiro, Boiadeiro do Chapadão, etc.

Sua saudação: “Jetruá Boiadeiro”, “Xetro Marrumbaxêtro”

Os Boiadeiros são entidades que representam a natureza desbravadora, romântica, simples e persistente do homem do sertão, “o caboclo sertanejo”. São os Vaqueiros, Boiadeiros, Laçadores, Peões, Tocadores de Viola. O mestiço Brasileiro, filho de branco com índio, índio com negro e assim vai.

Os Boiadeiros representam a própria essência da miscigenação do povo brasileiro: nossos costumes, crendices, superstições e fé.

Ao amanhecer o dia, o Boiadeiro arrumava seu cavalo e levava seu gado para o pasto, somente voltava com o cair da tarde, trazendo o gado de volta para o curral. Nas caminhadas tocava seu berrante e sua viola cantando sempre uma modinha para sua amada, que ficava na janela do sobrado, pois os grandes donos das fazendas não permitiam a mistura de empregados com a patroa.

É tal e qual se poderia presenciar do homem rude do campo. Durante o dia debaixo do calor intenso do sol ele segue, tocando a boiada, marcando seu gados e território. À noite ao voltar para casa, o churrasco com os amigos e a família, um bom papo, ponteado por um gole de aguardente e um bom palheiro, e nas festas muita alegria, nas danças e comemorações.

Sofreram preconceitos, como os “sem raça”, sem definição de sua origem. Ganhando a terra do sertão com seu trabalho e luta, mas respeitando a natureza e aprendendo, um pouco com o índio: suas ervas, plantas e curas; e um pouco do negro: seus Orixás, mirongas e feitiços; e um pouco do branco: sua religião (posteriormente misturada com a do índio e a do negro) e sua língua, entre outras coisas.

Dá mesma maneira que os Pretos-Velhos representam a humildade, os Boiadeiros representam a força de vontade, a liberdade e a determinação que existe no homem do campo e a sua necessidade de conviver com a natureza e os animais, sempre de maneira simples, mas com uma força e fé muito grande.

O caboclo boiadeiro está ligado com a imagem do peão boiadeiro – habilidoso, valente e de muita força física. Vem sempre gritando e agitando os braços como se possuísse na mão, um laço para laçar um novilho. Sua dança simboliza o peão sobre o cavalo a andar nas pastagens.

Enquanto os “caboclos índios” são quase sempre sisudos e de poucas palavras, é possível encontrar alguns boiadeiros sorridentes e conversadores.

Os Boiadeiros vêm dentro da linha de Oxossi. Mas também são regidos por Iansã, tendo recebido da mesma a autoridade de conduzir os eguns da mesma forma que conduziam sua boiada quando encarnados. Levam cada boi (espírito) para seu destino, e trazem os bois que se desgarram (obsessores, quiumbas, etc.) de volta ao caminho do resto da boiada (o caminho do bem).

Os Caboclos são entidades fortes, viris. Alguns têm algumas dificuldades de se expressar em nossa língua, sendo normalmente auxiliados pelos cambonos. São sérios, mas gostam de festas e fartura. Gostam de música, cantam toadas que falam em seus bois e suas andanças por essas terras de meu Deus. Os Boiadeiros também são conhecidos como “Encantados”,pois segundo algumas lendas, eles não teriam morrido para se espiritualizarem, mas sim se encantados e transformados em entidades especiais.

Os Boiadeiros também apresentam bastante diversidade de manifestações. Boiadeiro menino, Boiadeiro da Campina, Boiadeiro Bugre e muitos outros tipos de Boiadeiros, sendo que alguns até trabalham muito próximos aos Exus.

Suas cantigas normalmente são muito alegres, tocadas num ritmo gostoso e vibrante. São grandes trabalhadores, e defendem a todos das influências negativas com muita garra e força espiritual. Possuem enorme poder espiritual e grande autoridade sobre os espíritos menos evoluídos, sendo tais espíritos subjugados por eles com muita facilidade.

Sabem que a prática da caridade os levará a evolução, trabalham incorporados na Umbanda, Quimbanda e Candomblé. Fazem parte da linha de caboclos, mais na verdade são bem diferentes em suas funções. Formam uma linha mais recente de espíritos, pois já viveram mais com a modernidade do que os caboclos, que foram povos primitivos. Esses espíritos já conviveram em sua ultima encarnação com a invenção da roda, do ferro, das armas de fogo e com a prática da magia na terra.

Saber que boiadeiros conheceram e utilizaram essas invenções nos ajuda muito para diferenciarmos dos caboclos. São rudes nas suas incorporações, com gestos velozes e pouco harmoniosos. Sua maior finalidade não é a consulta como os Pretos-velhos, nem os passes e muito menos as receitas de remédios como os caboclos, e sim o “dispersar de energia” aderida a corpos, paredes e objetos. É de extrema importância essa função pois enquanto os outros guias podem se preocupar com o teor das consultas e dos passes, existe essa linha “sempre” atenta a qualquer alteração de energia local (entrada de espíritos).

Quando bradam alto e rápido, com tom de ordem, estão na verdade ordenando a espíritos que entraram no local a se retirar, assim “limpam” o ambiente para que a prática da caridade continue sem alterações. Esses espíritos atendem aos boiadeiros pela demonstração de coragem que os mesmos lhes passam e são levados por eles para locais próprios de doutrina.

Em grande parte, o trabalho dos Boiadeiros ”e no descarrego e no preparo dos médiuns. Os fortalecendo dentro da mediunidade, abrindo a portas para a entrada dos outros guias e tornando- se grandes protetores, como os Exus.

Outra grande função de um boiadeiro é manter a disciplina das pessoas dentro de um terreiro, sejam elas médiuns da casa ou consulentes. Costumam proteger demais seus médiuns nas situações perigosas. São verdadeiros conselheiros e castigam quem prejudica um médium que ele goste. “Gostar” para um boiadeiro é ver no seu médium coragem, lealdade e honestidade, aí sim é considerado por ele “filho”. Pois ser filho de boiadeiro não é só tê-lo na coroa.

Trabalham também para Orixás, mais mesmo assim, não mudam sua finalidade de trabalho e são muito parecidos na sua forma de incorporar e falar, ou seja, um boiadeiro que trabalhe para Ogum é praticamente igual a um que trabalhe para Xangô, apenas cumprem ordens de Orixás diferentes, não absorvendo no entanto as características deles.

Dentro dessa linha a diversidade encontra-se na idade dos boiadeiros. Existem boiadeiros mais velhos, outros mais novos, e costumam dizer que pertencem a locais diferentes, como regiões, por exemplo: Nordeste, Sul, Centro-Oeste, etc.

Os Boiadeiros representam a própria essência da miscigenação do povo brasileiro: nossos costumes, crendices, superstições e fé.

Jetruá Boiadeiro…

Saravá Seu Boiadeiro.

Jornal Fevereiro/2020

Mais uma edição de nosso jornal de 2020.
Lembrando que esse ano com muitas novidades..

Estou aqui…

Gira Baianos – 15/02/2020

Baianos no terreiro.

( Ponto de baiano.)

Quem tem baiano

Agora que eu quero ver
Dançar catira no azeite de dendê.
Eu quero ver os baianos  de Aruanda
Trabalhando na Umbanda
Pra quimbanda não vencer
Eu quero ver os baianos  de Aruanda
Trabalhando na Umbanda
Pra quimbanda não vencer.O ponto acima é um “Ponto de Chamada”.O Baiano representa a força do fragilizado, o que sofreu e aprendeu na “escola da vida” e, portanto, pode ajudar as pessoas.
O reconhecido caráter de bravura e irreverência do nordestino migrante parece ser responsável pelo fato de os baianos terem se tornado uma entidade de grande freqüência e importância nas giras paulistas e de todo o país, nos últimos anos.
Os baianos da Umbanda são pouco presentes na literatura umbandista. Povo de fácil relacionamento, comumente aparece em giras de Caboclos e pretos velhos, sua fala é mais fácil de se entender que a fala dos caboclos.
Conhecem de tudo um pouco, inclusive a Quimbanda, por isso podem trabalhar tanto na direita desfazendo feitiços, quanto na esquerda.
São amigos e gostam de conversar e contar causos, mas também sabem dar broncas quando vêem alguma coisa errada.
Nas giras eles se apresentam com forte traço regionalista, principalmente em seu modo de falar cantado, diferente, eles são “do tipo que não levam desaforo pra casa”, possuem uma capacidade de ouvir e aconselhar, conversando bastante, falando baixo e mansamente, são carinhosos e passam segurança ao consulente que tem fé.
Os Baianos na Umbanda são “doutrinados”, se assim podemos dizer, apresentando um comportamento comedido, não xingam, nem provocam ninguém.
Os trabalhos com a corrente dos Baianos, trazem muita paz, passando perseverança, para vencermos as dificuldades de nossa jornada terrena.Os Baianos são das mais humanas entidades dentro do terreiro, por falar e sentir a maioria dos sentimentos dos seus consulentes.
Talvez por sua forma fervorosa de se apresentar em seus trabalhados no terreiro, aparentem ser uma das entidades, mais fortes ou dotadas de grande energia (e na verdade são), mas na umbanda não existe o mais forte ou fraco são todos iguais, só a forma do trabalho é que muda.
Adoram trabalhar com outras entidades como Erês, Caboclos, Marinheiros, Exus, etc.
São grande admiradores da disciplina e organização dos trabalhos.
São consoladores por natureza e adoram dar a disciplina de forma brusca e direta diferente de qualquer entidade.A gira de Baiano.
A alegria que essa gira nos traz é contagiante.
… São muito ativos, despachados e descontraidos. Bons orientadores e doutrinadores.

São entidades que tem como missão principal o ensinamento da espiritualidade e o encorajamento da fé, pois é através da fé que tudo se consegue.
Usam colares de cocos e sementes. Tendo na sua forma de trabalhar muito das qualidades de Iansã, por serem movimentadores e irriquietos, combinam esta forma de trabalhar com sua natureza onde cada um se mostra regido por um Orixá diferente assim trazendo para a gira a força das sete linhas da Umbanda.
A irreverência e o bom humor dos baianos são a sua característica maior.
A maneira de saudar carinhosamente seus filhos e fé e a assistência e todos que estiverem presentes.
O sorriso fácil, seu jeito engraçado de falar.
Tipo se aproximam de alguém e diz:
” Ochênte, e como tá tu bichinho, cumo tem passado”
As brincadeiras que fazem com os cambonos quando querem ser servido de sua bebida favorita.
(batidinha de cocô ou cachacinha).
Vão pro meio do terreiro colocam as mãos na cintura e começam a cantar:

Baiano tá bebo não.
Baiano tá bebo não.
Trás o copo que a caneca está furada
Baiano não bebeu nada.

Dificílmente se sai de uma gira de baiano sem tomar os famosos trêis golinho de batidinha

       ou sem provar da farofa dos baianos.
Por que após a gira dos filhos de santo, os baianos gostam de sentar no chão com todos

reunidos pra comer e beber a vontade.
Os baianos dão  passes, fazem descarregos de pólvora, receitam banhos pra uma infinidade de coisas e serventias, ensinam mirongas, e fazem trabalhos em geral.

Mas não se deixe enganar com baiano, baiano na mesma hora que esta rezando, tá brincando, são sérios em seus trabalhos , são trabalhadores incánsaveis do senhor do bonfim.
São amigo fiéis, são camarada, fazem tudo pra te ajudar , mas se precisa dar uns “Cascudos”dão também.